Preço: R$ 14,50
Sem Impostos: R$ 14,50
Fabricante: Franco Gagnor
Modelo: Laterita 75/6 - 100g
Disponibilidade: Esgotado
Qtd:

LATERITA 75 / 6


-- A LATERITA 75 / 6 é uma laterita selecionada especialmente para uso em aquários. Foi escolhida por seu alto teor em ferro e baixo em alumínio. Por ser um mineral natural sua composição química nunca é 100% homogênea, de forma que sua composição provável é uma MÉDIA de 75 % de OXIDO de FERRO, de 6% de OXIDO de ALUMÍNIO, um pouco de sílica e de manganês e traços de outros elementos.
-- 100 g de LATERITA 75 / 6 são suficientes para 50 litros de água, o que corresponde mais ou menos a um aquário de 60 a 70 litros, com 10 cm de altura de substrato e densamente plantado com plantas de crescimento rápido e ávidas por ferro.

NÃO É TÓXICA, TEM VALIDADE INDETERMINADA.
PARA USO EM AQUÁRIOS DE ÁGUA DOCE

 

A LATERITA NO AQUÁRIO


-- Geralmente a laterita é utilizada em aquários de água doce como fonte natural de ferro para a vegetação presente. Para esta finalidade, é desejável que contenha o mínimo possível de alumínio e sílica.
-- Já que a laterita é geralmente colocada por baixo, ou misturada, ao substrato, se tornando um componente do solo do aquário, temos que considerar que o pH e as condições de redução/oxidação, REDOX, dentro do solo do aquário, nem sempre são iguais as da água do aquário. A tendência das condições do subsolo é geralmente de serem mais redutoras e ter pH mais ácido. 
-- O ferro e o alumínio se tornam tanto mais solúveis quanto mais ácido e anaeróbio (redutor) for o meio em que se encontram, e, tanto mais insolúveis quanto menos ácido ( ou mais alcalino ) e oxigenado. 
-- O alumínio dissolvido é toxico para as plantas e extremamente acidificante. 
-- O ferro torna indisponível o fósforo formando com ele compostos insolúveis.
-- O ferro solubilizado pode ser adsorvido pelas plantas como Fe+2 e Fe+3, sendo transformado em Fe+2 e absorvido através do plasmalema. Formas solúveis inorgânicas: Fe+3, Fe+2, Fe (OH)2+ e Fe (OH)+2. Condições mais ácidas favorecem a forma de Fe+3 e menos ácidas de Fe+2. Essas formas de ferro solúvel podem ser: utilizadas diretamente pelas plantas; ou adsorvidas pelas micelas dos colóides orgânicos sendo prontamente disponíveis para troca iônica com o meio; ou formar quelados com aminoacidos e ácidos orgânicos diversos, principalmente com o húmico e o fulvico da matéria orgânica, podendo ser utilizado pelas plantas quando houver carência do mesmo em estado livre.
-- Este produto deve ser utilizado para finalidades específicas, geralmente como fonte de ferro para a vegetação de aquários de água doce. 
-- Em excesso, por condições extremamente redutoras ou de pH muito acido pode se tornar toxico para as plantas. 
-- Não esquecer que o pH e o REDOX de determinado meio biológico são o resultado do equilíbrio momentâneo de diversas reações químicas que estão se processando sob a influencia de inúmeros fatores e que a alteração dos parâmetros de um único fator pode alterar drasticamente o ponto de equilíbrio ( pH e REDOX ).

 

LATERITA


-- É o resultado de um longo processo de transformação do solum, por intemperismo sob condições de altas temperaturas e umidade. Pode ser encontrada na natureza sob diversas formas: pó, grânulos, aglomerados e (sob condições muito especiais) cimentada, de onde tem origem o seu nome . Sua composição química é basicamente uma mistura, em proporções variáveis, de óxidos hidratados de ferro e alumínio com algumas impurezas, geralmente: sílica, enxofre, manganês e evidentemente, traços de outros elementos. Sua cor pode variar do vermelho escuro, quando predomina a hematita, até ao amarelo ocre da limonita e a tonalidade de forte a pastel esmaecida, dependendo do conteúdo de oxido de alumínio.
-- A natureza coloidal dos hidróxidos presentes permite que suas micelas adsorvam alguns cátions permutáveis, assim mesmo, sua capacidade de adsorver e permutar íons é muito pequena (2 a 3 m.e.) se comparada a da montmorilonita (80 a 100 m.e.) ou a da turfa (até 200 m.e.), portanto é muito pobre em nutrientes e tem tendência a insolubilizar os fosfatos presentes, tornando-os indisponíveis. O pH da sua solução do solo situa-se geralmente entre 6 e 7.
-- Simplificando ao máximo. O processo (físico e químico) de formação da laterita inicia com a ação de intemperismo, do vento, da água da chuva ou subterrânea, da variação brusca da temperatura sobre a rocha, rachando-a cada vez mais em pedaços menores. Continua com o auxilio dos seres vivos, principalmente dos vegetais e do gás carbônico por eles exalado (raízes) até se tornar terra. 
-- Em condições de temperatura elevada, ciclos longos e alternados de chuva e seca, o processo continua, lixiviando as bases presentes (cálcio, magnésio, potássio, sódio e sobstituinuindo-as por hidrogênio, tornando o solum extremamente ácido), solubilizando e removendo a sílica ficam, praticamente, apenas óxidos hidratados de ferro e alumínio.
-- Óxidos mais presentes na laterita: Hematita e Maghemita Fe2O3 . Limonita, que é uma mistura de hidróxidos de ferro com grau de hidratação diferente 2Fe22O3.nH2O e hidróxidos de alumínio com predominância de Gibbsita Al2O3.3H2O. Estes óxidos, insolúveis em condições normais ou oxidantes, liberam ferro e alumínio solúveis em condições ácidas e redutoras, podendo, se em excesso, se tornar prejudiciais.

 

 

Fazer um comentário

Obs: Não há suporte para o uso de tags HTML.
Ruim Bom